Já é tarde

Já é tarde da noite. Não consigo dormir. A meia luz do abajur é refletida pelo espelho do armário iluminando de forma bucólica meu quarto. Ao fundo, a música de Tom Jobim e João Gilberto ecoa e se confunde com a respiração profunda de todos que dormem. Wave.

Levanto de minha cama, abro cuidadosamente a porta. Meu irmão e meu pai estão na sala, a TV ligada ilumina o ambiente. Para não acordá-los, desligo-a e vou a cozinha tomar água. Ao vê-los sou tomado por pensamentos leves da infância, me recordo como viver era fácil. O universo era resumido em pai, mãe, irmãos, escola, brinquedos… uma pequena paixão.

Peguei meu copo d’agua e voltei para o quarto. Tomei um gole. Comecei a pensar sobre como os fatos da vida nos moldam e, se deixarmos, podemos transformar nossas vidas em um espetáculo dantesco como a mais sublime epopéia, basta escolher o caminho.

Escolha. Quantos disseram que nunca tiveram na vida? Volto a tomar mais um gole de água e espero ansiosamente pelo relógio marcar hora cheia. Já são quatro da manhã. Ao fundo escuto Tom. Insensatez.

Me recordo das pessoas que amei e magoei. O erro é condição para ser humano, mas se sempre existe uma escolha, como usar esse poder? Muitas vezes somos como crianças brincando sem medir as consequências dos atos e, até que alguém saia machucado continuamos brincando.

Me viro na cama buscando uma posição confortável. Meu braço dói, ainda não estou recuperado da cirurgia no ombro. No relógio, quatro e meia e, ao fundo, Triste – João Gilberto. A insônia sempre leva a reflexão; a tranqüilidade, o silêncio e a solidão da madrugada geralmente não traz pensamentos entusiasmados. Olho para minha foto na parede, lá está estampada minha juventude dos primeiros anos de vida, o vidro do quadro reflete meu rosto hoje. Quanta diferença daquele ser humano para este. Como preocupações e o tempo moldam a sua saúde…

Madrugada longa essa.Preciso dormir mas não consigo. Olho para o nada na expectativa do sono escondido se revelar, para o diabo quem inventou a procrastinação que me faz pensar em tudo menos o importante para o momento.O relógio já marca cinco e cinqüenta. Ao fundo, dessa vez Chico: Eu te Amo. Como faz tempo e que falta faz… Será que algum dia vai acontecer de novo?

Espero a luz da manhã iluminar meu quarto. Com ela vem o sono ao som de Oração

B.J.


Jaz uma linda idiossincrasia acróstica no amor

É a primeira vez que te vejo depois de muito tempo,
só sinto o calafrio da surpresa,
já olho sua foto sem remoer o passado,
sem remorso, sem culpa.

Tinha de ser assim.

No passado não imaginava o futuro longe de ti,
e no presente nada faz falta.

O que “tem que ser” é aquilo que fazemos,
as escolhas que tomamos,
os caminhos que trilhamos.

Nós somos o acaso.

Não espero que entenda nada do que escrevi,
na verdade prefiro que não leia,
só desejo (desta vez) sinceramente,
que seja feliz,
de coração.

– Baccili Junior